quinta-feira

Arte expressa




Onde anda, vive, respira, mostra-se?
Morreu ou apenas se escondeu?
Ficou tímida, distante
Será?
Olhe em volta
sinta
nas favelas, não museus
por ruas sem asfalto
no meio das selvas
até de pedra
encontre-se com ela
namore, desfrute
deixe borbulhar no seu sangue
sinta aquecer seu coração
brilhar nos olhos
sacudir a alma
o corpo vibrar
e gritar

EXPRESSE-SE!


Joakim Antonio 

terça-feira

Encontros




Encontrá-lo em uma semente de maçã

Senti-lo nos raios de Sol da manhã

Contemplá-lo no olhar de uma mãe

Vê-lo no nascimento de uma estrela anã

Encontrar Deus nos filhos 

em casa 

ao tomar café da manhã.


Joakim Antonio





Imagem: Nebulosa de Eta Carinae by Huble Space, também conhecida como, Dedo de Deus. 

segunda-feira

Minha casa


Onde está? 

Hoje acordei estranho, algo estava diferente,
não sabia o quê, mas era lá fora.
Sai e percebi, o ar não era o mesmo,
não, não era poluição, tudo vibrava diferente.
Colhi uma rosa com uma nova cor,
seu cheiro e tom, evocavam melancolia.
Me senti desnorteado, como se acordasse
em uma casa que não era a minha.
As pessoas falavam línguas estanhas,
carregadas de raiva, até as crianças
haviam mudado.
Em vez de brincarem livres e soltas, no chão,
viviam presas em muros e grades, nos ares.
Então me perguntei, quando?
Parei e pensei, como isso aconteceu?
Observei pessoas, caminhando sonâmbulas,
zumbis indo para o trabalho.
Alguns iam tão tristes, que pareciam escravos.
Vi meninas, que deveriam estar brincando,
vestidas e fazendo coisas de adulto.
Gotas de chuva caíam, salgadas e mornas,
formando poças que, não me pergunte como,
sabia que eram para nós.
Então, parei por um segundo,
e em choque, deixei a rosa cair,
pois naquele instante descobri,
que o mundo está de luto.

Joakim Antonio


Fotos: Marcos William, in tutyfotografia.blogspot.com


domingo

LER - Lendo Escutando e Recontando - Parte Final - Recontar



Se for a primeira vez que você está lendo sobre esse artigo, convido-o a visitar os artigos anteriores: primeira, segunda e terceira parte, antes desse final, que falarei sobre recontar.

Dá-me a tua mão: Vou agora te contar como entrei no inexpressivo, que sempre foi a minha busca cega e secreta.” Clarice Lispector

A história é viva, a palavra é viva, sempre ouvimos falar sobre isso, mas o que a mantém viva?

sábado

LER - Lendo Escutando e Recontando - Parte III - Escutar



Na primeira parte falei sobre a minha concepção pessoal de ler, na segunda parte falei exclusivamente sobre o ato de ler e hoje falarei sobre a arte de escutar.

"Falar é uma necessidade, escutar é uma arte." Johann Goethe

Você está ouvindo, mas está realmente escutando? Apesar de serem sinônimos, há uma grande diferença entre ouvir e escutar. Quando ouvimos algo, mas estamos dispersos, não retemos a informação e se alguém nos pergunta o que acabamos de ouvir, não sabemos dizer com exatidão. Ao contrário, quando estamos atentos, prestamos atenção nos mínimos detalhes e podemos, dependendo do grau de atenção, dizermos com exatidão pequenas coisas que passaram despercebidas aos outros.

sexta-feira

LER - Lendo Escutando e Recontando - Parte II - Leitura



Na primeira parte falei sobre a minha concepção pessoal de ler, hoje falarei sobre a parte da leitura em si.

“A leitura do mundo precede a leitura da palavra … O ato de ler o mundo implica uma leitura dentro e fora de mim. Implica na relação que eu tenho com esse mundo”.
(Paulo Freire – Abertura do Congresso Brasileiro de Leitura – COLE – Campinas, novembro de 1981)

Nosso mundo particular é formado basicamente na infância, onde nascemos, vivemos e como somos criados. Éramos um livro em branco, onde começamos a criar nossa história baseados na leitura que fazíamos do mundo à nossa volta.

quinta-feira

LER – Lendo Escutando e Recontando - Parte I



Mais do que afetar sua visão interior, ler é o pilar central na formação, não só do escritor, mas principalmente, do cidadão. Como disse Monteiro Lobato: “Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê.”, fato incontestável, pois não basta ler, é preciso compreender.

Lembro que um dia o professor explicou: os melhores escritores leram muito antes de se tornarem bons escritores, isso ficou na minha cabeça durante anos como regra absoluta, até conhecer pessoas que praticamente não liam, mas eram mestres da palavra e verdadeiros sábios da vida, foi aí que pensei numa concepção diferente da palavra ler.

LER = Ler Escutar Recontar

domingo

Além do que os olhos podem ver


Você consegue ver? 


Eu tinha 14 anos no meu primeiro emprego, trabalhava de Office-boy em uma papelaria, fazia entregas aos clientes durante a semana, inclusive aos sábados, atendia no balcão, entregava correspondência todo dia cedinho no escritório central e fazia também serviços bancários. Ia do serviço direto para escola, me divertia muito nos dois, mas ficava ansioso pelo domingo, quando revia os amigos e tinha muitas histórias para contar.

Durante a semana havia um amigo na escola que era cheio de histórias, a família dele era bem humilde, como a minha, mas ele não trabalhava ainda. Ele já tinha 18 anos, entrara tarde na vida escolar, o que para mim era incompreensível, afinal ele era muito inteligente, fazia contas mais rápido do que eu manipulava minha calculadora, jogava xadrez como um mestre, era um escritor fabuloso e só tirava notas máximas. Eu me perguntava o porquê dele ainda estar no 3º ano do ensino médio.

Um dia eu pensei tanto nisso que não aguentei. Falei, Zé preciso te perguntar uma coisa, sempre penso nisso, mas nunca perguntei, aliás, duas, me diga por que você entrou tarde na escola e porque você não trabalha, já que diz que sua família passa por algumas necessidades?

sábado

A poesia vem de dentro


Estou procurando 

A poesia vem de dentro
meia verdade
ela está lá fora
na beleza da favela
na monstruosidade da cidade
presente na água límpida
das torneiras
no rio seco e sujo
nosso leito
que nos permeia
sinto-a no olhar
terno do asilo
procuro-a e não encontro
no sorriso do vizinho
fugidia e bela
leio-a nas rugas
das lavadeiras
busco resquícios
em peles de seda
brilha e ofusca
onde menos esperam
esconde-se e chora
onde mais a quero
Poderia o mundo
viver sem poesia?
É possível
mas haveria apenas
tristeza
como estivesse a ver
um palhaço
que nunca ri

Joakim Antonio



Imagem: Clown by eplague

sexta-feira

Escravos do Preconceito


Vocês viram como aquele cara é estranho?


Um dia um dos meus amigos apontou o dedo para um local e disse: estão vendo aquele cara, olha só que folgado, se achando o gostosão. No mesmo instante todos olhamos juntos, como que ensaiados, para onde ele apontara e vimos um cara enorme, loiro, cabelo estilo do exército e todo espetado em cima, devido ao gel que usava.

A impressão é que ele andava em câmera lenta, coluna reta, movimentos harmoniosos e olhar meio que distante, mas sem deixar escapar nada e cumprimentando a todos, especialmente as meninas, dando selinhos ao beijá-las.

Um de nós já concordou com o primeiro, dizendo que era folgado mesmo, agarrando todas as meninas e se achando o gostosão, outro já emendou que só podia ser “mauricinho” e que devia estar como carro que o papai deu lá fora estacionado e mais um lançou um olhar dizendo, olhem lá como ele gesticula meio afeminado, ali tem coisa. Todos olharam pra mim e falaram e aí Joakim nada a declarar sobre o “Arnold”? Eu olhei para todos e disse: não sei o que é, mas não fui com a cara dele!

Vocês conseguem notar o que aconteceu acima?

quinta-feira

Contatos


Contatos transformam nossos momentos

Estava em casa quando meu irmão apareceu para uma visita, e como em outras vezes, elas costumam ser um paradoxo que eu rotulo de, um inesperado que se espera. Sabe aquela pessoa que você pensa, faz tempo que não a vejo e ao mesmo tempo sabe que é hora dela aparecer? Pois é o Gilberto ou Giba é assim, meu irmão que eu conheci no pré-escolar e me acompanha, sendo uma testemunha do que me acontece e me lembrando de fatos que eu mesmo não recordo.

Havia acabado de tomar banho e escrevia esse texto, não bem esse, pois ele mudou totalmente após o contato com meu irmão, saímos para comprar algumas coisas para o café. Colocamos as notícias em dia, papos sobre escrever, seriados, filmes e livros que indicamos um ao outro, para depois comentarmos descontraidamente com um bom cafezinho.

quarta-feira

Corrija-se



Fala-se muito de preconceito, em especial, nas formas de preconceito racial, social e sexual, mas há um tipo de preconceito que é muito comum, o praticamos desde criança e não nos damos conta disso.

Quando crianças, cansamos de rir dos amiguinhos que falam algo errado, dependendo do seu modo de falar é tachado de caipira, às vezes dentro da sala de aula diante dos professores, outras vezes na rua ou em casa mesmo.

Por muitas pessoas não ligarem, ou terem conhecimento, continuamos com esse comportamento pela vida afora, podendo muitas vezes sermos repreendidos, mas poucas ou nenhuma vez alguém nos diz que estamos praticando um tipo de preconceito, o preconceito linguístico.


terça-feira

Jogando o velho fora



Ontem eu decidi separar as coisas que não me servem mais, como trabalho também com conserto de PCs, sempre há algumas peças que guardo para uso futuro e após um tempo não valem mais nada, devido às constantes mudanças na parte de hardware. Incluem-se nesse montante até partes de peças somente, que podem ajudar a economizar no conserto para alguém que necessite e não tem como pagar por ele, algumas que ainda tem valor de venda, passo para minha irmã para serem vendidas no seu brechó.

As restantes, depois de colocadas em uma caixa, ficam por um tempo na garagem onde possam ser vistas e quem se interessa as leva embora para uso ou até para vender no ferro-velho. Ao colocar uma dessas caixas lá um amigo passou e disse, nossa quanta velharia, outro passou e pediu uma peça, pois estava precisando e não encontrava mais: você salvou a pátria, lá em casa, as crianças estão sem micro.

Se analisarmos a situação, podemos ver que o que é velho para alguns é a salvação da pátria para outros, ou melhor, o que parece velho, pois o conceito de velho é muito amplo. Mas o uso que mais me incomoda é quando usamos velho para designar pessoas.

segunda-feira

Viagem ao Interior



Você já reparou com uma viagem pode mudar toda sua vida?

Alguns viajam na intenção de fazer uma busca interior, como os milhões de peregrinos que a cada ano trilham o caminho de Santiago de Compostela. Outros viajam diretamente ao seu interior através de técnicas de meditação, seja via um professor ou até usando softwares desenvolvidos para esse propósito. Mas uma coisa é impossível de não ser notada. A pessoa volta diferente.

sábado

Mesclando-se


A mão percorre
lentamente
sentindo-a como seda
pele totalmente lisa
cheiro amadeirado
fresco
então há o começo
o grafite desliza
tatuando-a
por inteira
deixando partículas
de si
penetrando em haste
a folha branca
que nasceu
com um único fim
mesclar-se a ele
ser parte da história
trazendo em sua pele
os pensamentos
e loucuras
do escritor
ela não é
mero expectador
sem ela
tudo
seria esquecido

Joakim Antonio 

sexta-feira

Imperfeições do verso


Busco a imperfeição do verso
o errado nunca o certo
o choque das palavras

ao tocar a água

Pequenas ondas
em crescendo
tsunami

destruidoras de ideias

Que no refluxo
levam embora
cascas mortas

de palavras escritas

Então maculo o papel
que em branco
gritaria muito mais

Joakim Antonio 


Arte: JoaKim
Imagem original: Courage of Samurai by Artgerm
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...